A proposta da Associação e Comunidade Casa de Maria é contribuir para a paz no mundo, através do resgate da paz interior. Para isso desenvolvemos um método de autoconhecimento simples e prático, baseado na psicologia analítica e na espiritualidade cristã, chamado Oficina de Emoções, que é levado ao público através de reuniões abertas e semanais, programas nos meios de comunicação, cursos, palestras e material didático próprio como: livros, apostilas, fitas e cds
 
 
 
 
 

Usuários on line: 8
Busque no site:
São Paulo - Domingo, 21 de Setembro de 2014

NOSSA SENHORA DA MEDALHA MILAGROSA

 Eis a oportunidade de uma nova Romaria Virtual indo a Paris e fortalecendo nossa fé em visita à Nossa Senhora da Medalha Milagrosa: visitando a Capela, conhecendo as aparições, a medalha, a Novena... Aproveite esta oportunidade...e 'Boa Viagem'!!!

 

NOSSA SENHORA DA MEDALHA MILAGROSA

A Capela:
Em Paris, você talvez conheça a Catedral de Notre-Dame, a Basílica do Sagrado Coração de Montmartre, a igreja de Notre-Dame des Victoires e outras inumeráveis igrejas.

Mas, você sabia que um santuário marial, em Paris, atrai milhares de peregrinos do mundo inteiro?

Aqui, em plena cidade, você encontrará o silêncio, o recolhimento, o fervor, a confiança e a gratidão… Nele paira como um ar de juventude: é a eterna juventude daquela que é isenta do pecado, a Imaculada!

Aqui, você será acolhido por uma Equipe constituída por Sacerdotes, Irmãs, Leigos, de toda nacionalidade.

Aqui, nesta Capela, a Santíssima Virgem "em carne e osso", como disse Santa Catarina Labouré, caminhou…

Você aqui está em um lugar de peregrinação. Nesta Capela, a Virgem Maria apareceu em 1830, a uma noviça das Filhas da Caridade, Santa Catarina Labouré, para oferecer ao mundo uma medalha.

Este simples objeto, destinado a todos sem acepção de pessoas, resume, pelo seu rico simbolismo, os mistérios da fé cristã

Quando estoura em Paris, em fevereiro de 1832, uma epidemia terrível de cólera, que fará mais de 20.000 mortos, as Filhas da Caridade começam a distribuir as primeiras medalhas. As curas multiplicam-se, assim como os sinais de proteções e conversões. Algo extraordinário acontece! O povo de Paris chama então a medalha de "milagrosa".

Um encontro:
Desça do metrô na estação Sèvres-Babylone ou Saint-Placide, em qualquer uma delas você se encontra bem próximo da Capela!
Há também ônibus: n° 39, 63, 70, 84, 87, 94.
Você se encontra agora pertinho do Santuário… Porém, cuidado! Podemos passar e repassar sem encontrar este lugar escondido: "uma verdadeira gruta no coração de Paris".

Em cima do pórtico, uma Virgem com o Menino, encimada pelo versículo do hino Ave Maris Stella, está esperando por você.: "Monstra te esse matrem": Mostra-nos que tu és Mãe!

Você chegou! Eis o 140, da rua do Bac, Paris 7.

A equipe:
O Capelão é um Sacerdote da Missão, a Coordenadora, uma Filha da Caridade; são eles que animam a equipe da "rua do Bac".

Todos estão prontos para o acolher, a fim de responder suas questões, para e lhe mostrar os “diamantes” que a Santíssima Virgem prometeu a todos aqueles, grandes e pequenos, que se aproximam dela com confiança:
“Vinde ao pé deste altar, aí as graças serão derramada sobre todos”.

Na sala 3, todos os dias, (exceto aos domingos), um Sacerdote o recebe.

Você também pode encomendar uma missa nas intenções que desejar.

Na sala 4, todos os dias, uma Filha da Caridade o atende.

Na sala 5, você pode encontrar medalhas milagrosas, terços, prospectos sobre a mensagem das aparições, livros, cartões postais, marcadores de livros, etc…

Na sala 6, você poderá pedir para benzer suas medalhas, terços…

As aparições:
O céu desceu à terra… De julho a dezembro de 1830, Irmã Catarina, jovem noviça das Filhas da Caridade, recebe o imenso favor de conversar três vezes com a Virgem Maria.
Nos meses precedentes, Catarina foi beneficiada com outras aparições.
São Vicente de Paulo lhe manifestou seu coração. Na Capela, em oração, Catarina vê por três dias consecutivos, o coração de São Vicente, em três cores diferentes. Ele lhe aparece, em primeiro lugar, branco, cor da paz; depois vermelho, cor do fogo; depois, preto, sinal das desgraças que recairão sobre a França e, particularmente, Paris.

Pouco depois, Catarina viu o Cristo presente na Eucaristia, mais além das aparências do pão.
« Vi Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento durante todo o tempo do meu Seminário, exceto todas as vezes em que duvidava. »
A 6 de junho de 1830, festa da Santíssima Trindade, o Cristo lhe aparece como Rei crucificado, despojado de todos os seus paramentos.

A Medalha:
Nesta Capela, escolhida por Deus, a Virgem Maria, em pessoa, veio revelar sua identidade através de um pequeno objeto, uma medalha, destinada a todos sem distinção!

A identidade de Maria era objeto de controvérsia entre teólogos, desde os primeiros tempos da Igreja. Em 431, o Concílio de Éfeso tinha proclamado o primeiro dogma marial: Maria é mãe de Deus.

A partir de 1830, a invocação:

« O’ Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós »
...que sobe ao céu, milhares e milhares de vezes repetida por milhares e milhares de corações de cristãos do mundo inteiro, a pedido da própria Mãe de Deus, vai produzir seu efeito!

A 8 de dezembro de 1854, Pio IX proclama o dogma da Imaculada Conceição: por uma graça especial que lhe vinha da morte de seu Filho, Maria é sem pecado desde o começo de sua concepção.

Quatro anos mais tarde, em 1858, as aparições de Lourdes irão confirmar a Bernadette Soubirous, o privilégio da mãe de Deus.

Coração Imaculado, Maria é a primeira resgatada pelos méritos de Jesus Cristo. Ela é luz para nossa terra. Todos somos como a Virgem Maria, destinados à felicidade eterna.

Uma medalha, milagrosa… por quê?… luminosa em quê?… e dolorosa?

milagrosa…
Alguns meses após as aparições, Irmã Catarina é nomeada para o Asilo de Enghien (Paris XII), a fim de cuidar dos anciãos. Ela se põe ao trabalho. A voz interior, porém, insiste: é preciso fazer cunhar a medalha. Catarina volta a falar ao seu confessor, o Padre Aladel.

Em fevereiro de 1832, grassa uma terrível epidemia de cólera, que vai fazer mais de 20.000 mortos! As Filhas da Caridade começam a distribuir, em junho, as 2.000 primeiras medalhas cunhadas a pedido do Padre Aladel.

As curas multiplicam-se, bem como as proteções e conversões. É um alastramento. O povo de Paris chama a medalha de "milagrosa".

No outono de 1834 há mais de 500.000 medalhas. Em 1835 mais de um milhão no mundo inteiro. Em 1839, a medalha é distribuída a mais de dez milhões de exemplares.
À morte de Irmã Catarina, em 1876, contam-se mais de um bilhão de medalhas!

luminosa…
As palavras e desenhos gravados no verso da medalha expressam uma mensagem sob três aspectos intimamente ligados.
« O' Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós ».

A identidade de Maria nos é revelada explicitamente aqui: a Virgem Maria é imaculada desde sua concepção. Desse privilégio que já lhe foi concedido pelos méritos da Paixão de seu Filho, Jesus, o Cristo, decorre a força poderosa de intercessão que ela exerce para com aqueles que a rogam.
Eis por que, a Virgem Maria convida a todos os homens a recorrerem a ela nas dificuldades de sua vida.

Seus pés pisam uma metade da esfera e esmagam a cabeça de uma serpente.
A semi-esfera é a metade do globo, é o mundo. A serpente, entre os judeus e cristãos, representa Satã e as forças do mal.

A Virgem Maria engaja-se no combate espiritual, o combate contra o mal, do qual o mundo é o campo de batalha. Ela nos chama a entrar, nós também, na lógica de Deus que não é a lógica do mundo. E' esta a graça autêntica de conversão que o cristão deve pedir a Maria, para transmiti-la ao mundo.

Suas mãos estão abertas e seus dedos estão adornados com anéis revestidos de pedras preciosas, de onde saem raios que caem sobre a terra, ampliando-se para baixo.

O brilho desses raios, bem como a beleza e a luz da aparição, descritas por Catarina, chamam, justificam e alimentam nossa confiança na fidelidade de Maria (os anéis) para com seu Criador e seus filhos, na eficácia de sua intervenção (os raios de graça que caem à terra) e na vitória final (a luz) pois, Ela, primeira discípula, é a primeira resgatada.

dolorosa…
A medalha traz no seu reverso uma inicial e desenhos que nos introduzem no segredo de Maria.

A letra "M" está encimada pela Cruz do Cristo.

Os dois sinais entrelaçados mostram a relação indissolúvel que liga o Cristo à sua Santíssima Mãe. Maria está associada à missão Salvífica da humanidade pelo seu Filho Jesus e participa pela sua compaixão no próprio ato do sacrifício redentor do Cristo.

Em baixo, dois corações, um contornado de uma coroa de espinhos, o outro transpassado por uma lança.

O coração coroado de espinhos é o Coração de Jesus. Lembra o episódio cruel da Paixão do Cristo, narrado nos evangelhos, antes de sua morte. Significa sua Paixão de amor pelos homens.

Este coração transpassado por uma lança é o Coração de Maria, sua Mãe. Lembra a profecia de Simeão contada nos evangelhos, no dia da Apresentação de Jesus no templo de Jerusalém, por Maria e José. Significa o amor do Cristo que invade Maria e seu amor por nós: pela nossa Salvação, Ela aceita o sacrifício do seu próprio Filho.

A aproximação dos dois Corações expressa que a vida de Maria é vida de intimidade com Jesus.

Doze estrelas estão gravadas ao redor da medalha.

Correspondem aos doze apóstolos e representam a Igreja. Ser Igreja é amar o Cristo e participar de sua paixão pela Salvação do mundo. Cada batizado é convidado a associar-se à missão do Cristo, unindo seu coração aos Corações de Jesus e de Maria.

A medalha é um apelo à consciência de cada um, para que escolha, como o Cristo e Maria, o caminho do amor, até o dom total de si mesmo.

História de uma família:
Aqui, encontramo-nos na Casa Mãe das Filhas da Caridade. Com elas, é à sua história que estamos ligados.

A Companhia das Filhas da Caridade, fundada em 1633, foi a obra prima que, juntos, realizaram São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac. A Companhia, fiel à sua vocação, desenvolveu-se no mundo inteiro. Quando, um dia de 1830, chegou ao Seminário (noviciado), à rua do Bac, uma jovem borgonhesa, de 24 anos..

As aparições da Virgem Maria à Catarina Labouré e a difusão da Medalha Milagrosa, foram seguidas de uma extraordinária renovação e um aumento de vocações, tanto entre as Filhas da Caridade, como entre os Padres da Missão. O fervor tornou-se aí muito ardente.

Ao passar dos anos, a Companhia continua seu serviço dentro do espírito dos Fundadores: humildade, simplicidade, caridade.

No momento, as Filhas da Caridade estão presentes nos cinco continentes, em 91 países, dentre eles os mais pobres. Elas são mais ou menos umas 20.000 espalhadas pelo mundo. Na Europa, são 13.000. Na França: 1.000.

Vicente de Paulo
Rua do Bac. Causa surpresa ver São Vicente de Paulo nos acolher. Nada mais natural que honrar os antepassados!
Aqui é a Casa Mãe da Companhia das Filhas da Caridade, fundada em 1633, por Vicente e Luísa!

Como se sabe, os santos são muito atuantes no céu. São Vicente desempenhou um papel preponderante na vocação de Catarina, através de um sonho misterioso. Além disso, a transladação solene das relíquias do Padre Vicente ocorreu em 25 de abril de 1830, alguns dias apenas depois da chegada de Catarina ao noviciado de Paris. Que felicidade para ela poder acompanhar o sacerdote de sua vocação! Finalmente, estando Catarina em oração na Capela da rua do Bac, por três vezes, São Vicente manifesta-lhe seu coração, em três cores diferentes, anunciando-lhe estar próxima a hora de sua missão.

Chega o grande dia: na véspera da festa de São Vicente, uma Irmã faz um relato sobre o amor de São Vicente à Virgem Imaculada. Esta narração suscita em Catarina o desejo ardente de ver Nossa Senhora. Ela adormece, pedindo a São Vicente a quem tanto admira, obter de Deus a realização desse desejo. Após esta oração audaciosa, Catarina dorme. Um anjo a desperta…

Luísa de Marillac
Santa Luísa era animada de um profundo amor pela Virgem Maria:
"Sou vossa, Santíssima Virgem, para ser mais perfeitamente de Deus!"

Não obstante as controvérsias que se enfrentavam na Igreja, Luísa está convencida da Concepção Imaculada da Mãe de Deus e deseja que seja reconhecida e celebrada, pois,
"A Santíssima Virgem é a única criatura pura que sempre foi agradável a Deus".

A seu pedido, as Filhas da Caridade acrescentam, em cada dezena de seu terço, uma pequena prece, inscrita com letras de ouro na cúpula da Capela:
"Santíssima Virgem, eu creio e confesso vossa santa e Imaculada Conceição".

Em 1644, Santa Luísa consagra a Companhia das Filhas da Caridade à Santíssima Virgem, por ocasião de uma peregrinação a Chartres.
As últimas palavras de seu Testamento Espiritual expressam sua devoção marial:
"Tende grande cuidado do serviço dos pobres e, sobretudo, vivei juntas numa grande união e cordialidade, amando-vos umas às outras, para imitar a união e a vida de Nosso Senhor. Pedi muito à Santíssima Virgem que seja vossa única Mãe".

Catarina Labouré
Catarina Labouré nasceu no dia 2 de maio de 1806, numa aldeia da Borgonha, Fain-les-Moutiers. Era a oitava dos dez filhos de Pedro e Madalena Labouré, proprietários da fazenda. A morte de Madalena, aos 46 anos, deixa a família mergulhada no luto. Catarina, em lágrimas, sobe numa cadeira para abraçar a estátua da Santíssima Virgem e lhe diz: "Agora, tu serás minha mamãe".

Aos vinte e quatro anos, Catarina, depois de ter vencido muitos obstáculos, entra como noviça na Casa Mãe das Filhas da Caridade, à rua do Bac, em Paris. Foi aí, na Capela, que a Santíssima Virgem lhe apareceu alguns meses mais tarde; a primeira vez, em 19 de julho de 1830, para lhe anunciar uma missão. A segunda vez, no dia 27 de novembro do mesmo ano, para lhe revelar a medalha que Catarina será encarregada de mandar cunhar.

No ano seguinte, seu seminário terminado, Irmã Catarina foi colocada em Reuilly, na época subúrbio localizado no sudeste de Paris. Ela será encarregada, até o fim de sua vida, dos anciãos que aí viviam, desconhecida de todos, enquanto que a medalha se espalhava, milagrosamente, pelo mundo inteiro.
Catarina Labouré morre, na paz do Senhor, em 31 de dezembro de 1876: "Parto para o céu… ver Nosso Senhor, sua Mãe e São Vicente".

Em 1933, por ocasião de sua beatificação, foi aberta sua sepultura, na Capela de Reuilly. O corpo de Catarina foi encontrado intacto e transferido para a Capela da rua do Bac, sendo instalado sob o altar da Virgem do Globo.

Parada espiritual
São Vicente de Paulo, que Santa Catarina admirava muito, dizia com frequência:
"É preciso ter vida interior, é preciso ir ao encontro dela; se faltamos a isso, faltamos a tudo".

Pare na Capela, onde podemos haurir na fonte da oração e dos sacramentos, aprofundar nosso conhecimento de Deus e amá-lo mais e mais!

Acolhida espiritual
Um Padre o acolhe:
     - todos os dias na sala 3 (exceto domingo)
Uma Irmã o recebe:
    - todos os dias na sala 4
Você pode adquirir medalhas:
    - todos os dias na sala 5 de 9h00 às 13h00 e das 14h30 às 19h00 (domingo: às 9h15)
Você pode pedir para benzer suas medalhas:
    - todos os dias na sala 6
Você pode solicitar celebração de: Missas
    - todos os dias na sala 3

Peregrinações
Provenientes de Paris, de toda a França
(paróquias, dioceses, grupos de catequese, etc…) de todos os países.

Calendário das peregrinações previstas

Telefone: 33 1 49 54 78 84 de 8h às 12h30 e de 13h30 às 16h. ou: medaille.miraculeuse@wanadoo.fr
 
Informações
Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa
140, rue du Bac
75340 PARIS Cedex 07

Telefone: 33 1 49 54 78 88  Fax: 33 1 49 5478.89

Ser peregrino
Do nascer à morte, cada um de nós vive a condição, muito especial de peregrino. Jesus também, com Maria e José, foi peregrino na cidade santa de Jerusalém. A História da Igreja é o jornal vivo de uma peregrinação inacabada e, na vida dos que crêem, a peregrinação lembra a caminhada pessoal que cada pessoa faz, sob as pegadas do Redentor do mundo.

As aparições da Virgem Maria a Santa Catarina, proporcionam esta ocasião particular para experimentarmos a alegria de nos sentirmos amados. Deus quis que sua Mãe viesse a esta Capela para revelar o privilégio, pelos qual foi honrada, a fim de cumprir dignamente sua missa de Mãe de Deus. Esta mensagem, Catarina, por sua vez, recebeu a missão de fazê-la gravar na medalha que alcançou tantos milagres, que o povo de Paris chamou-a de: Medalha Milagrosa!

Sua mensagem de amor não é outra senão a do Evangelho. No entanto, ela enfatiza o lugar e o papel da Santíssima Virgem, simples criatura humana, como nós, a quem é reconhecido um destino particular, sinal do futuro de toda a humanidade. Nova Eva, resgatada pelo Novo Adão, a Santíssima Virgem, Mãe de Deus, é também nossa Mãe. Do alto da cruz, Cristo no-la deu!.

Elevemos os olhos para a Virgem dos Raios. Nosso olhar, com frequência, voltado para a terra, sentir-se-á persuadido a superar as tristezas da vida e se deixar penetrar da luz do alto, tornando-se assim portador de uma nova luz para si mesmo e para os outros.
Vamos ao pé do altar, a Santíssima Virgem convida a todos nós, grandes e pequenos, para, diante do tabernáculo, onde Jesus está presente, como esteve no presépio, para lhe pedir, com humildade, as graças que Ele quer nos conceder pelas mãos de sua Santa Mãe.  Maria espera apenas uma coisa: que nós as peçamos… Pois, Ela sabe que a verdadeira miséria é a de não saber implorar o auxílio do Espírito Santo. Eis porque nos pede que nos coloquemos de joelhos para rezar, a fim de implorar ao Pai que nos revele o Filho.

Abramos nossas mãos e nosso coração para receber as pedras preciosas das graças de Jesus. Devemos ter confiança no amor de Deus por nós. Ele já nos deu tantas provas! Devemos também confiar na afeição maternal de sua Mãe e no poder de sua intercessão no coração de seu Filho. Nossa peregrinação é um ato de confiança em Deus e Naquela que respondeu ao Anjo: Fiat!

Novena à Nossa Senhora da Medalha Milagrosa
O' Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, com a mais viva confiança no vosso poder de intercessão, tantas vezes manifestado por meio da Medalha, nós, humildemente vos suplicamos, alcançar-nos as graças que vos pedimos através desta novena.

Pedir a graça…

O' Virgem da Medalha Milagrosa que aparecestes a Santa Catarina Labouré, na atitude de medianeira do mundo inteiro e de cada alma em particular, colocamos entre vossas mãos e confiamos ao vosso Coração nossas súplicas.
Dignai-vos apresentá-las ao vosso Divino Filho e no-las conceder se forem
conformes à sua Vontade Divina e para o bem de nossas almas.
Depois de ter elevado a Deus vossas mãos suplicantes, descei-as sobre nós e cubri-nos com os raios de vossas graças, iluminando nossos espíritos, purificando nossos corações, a fim de que, sob vossa proteção, cheguemos um dia à bem-aventurada eternidade. Amém.

O Rosário
O Rosário: Um tesouro a ser redescoberto!

Já viram um terço?
É um encadeado de elos macios, que nos une a Deus, nosso Pai, e também a todos os nossos irmãos em Cristo.

Esta espécie de corrente, filial e fraterna, converge para uma cruz, pois é o Cristo quem abre o caminho para a oração e nos conduz a ela.

“Rezar o Rosário nada mais é do que contemplar, com Maria, a face do Cristo” escreveu o Papa João Paulo II em sua Carta Apostólica de 16 de dezembro de 2002, sobre o Rosário.(

Oração de João Paulo II, na Capela
« Oh Maria concebida sem pecado,
rogai por nós que recorremos a Vós! »
É esta a oração, o' Maria, que tu inspiraste a Santa Catarina Labouré, neste lugar, há cento e cincoenta anos; doravante, esta invocação, gravada na Medalha, é levada e pronunciada por tantos fiéis no mundo inteiro […].
Tu és bendita entre todas as mulheres!
Tu foste associada intimamente a todas as obras de nossa Redenção, associada à Cruz do nosso Salvador; teu coração foi transpassado, ao lado do seu coração. Agora, na glória de teu Filho, tu não cessas de interceder por nós, pobres pecadores. Tu velas pela Igreja, da qual é a Mãe. Tu velas sobre cada um de teus filhos.
Obtém de Deus, para nós, todas estas graças que simbolizam os raios de luz que irradiam de tuas mãos abertas, com a única condição: que tenhamos a ousadia de t'as pedir, que nos aproximemos de Ti com confiança, audácia e simplicidade de uma criança.
É assim que Tu nos conduzes ao Teu divino Filho. Jean-Paul II (1980) 

 (Fonte:  http://www.chapellenotredamedelamedaillemiraculeuse.com/)

 

 A DEVOÇÃO À NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS DA MEDALHA MILAGROSA

            Foi na segunda aparição a 27 de novembro de 1830, em Paris, na França; que Nossa Senhora apareceu a uma das Irmãs da Caridade de São Vicente de Paulo, à humilde noviça Santa Catarina Labouré. Ela descreve como lhe foi revelada a Medalha da Imaculada Conceição:           

            A Virgem apareceu sobre um globo, pisando uma serpente e segurando nas mãos um globo menor, oferecendo-o à Deus, num gesto de súplica.
 
Enquanto A contemplava, Catarina ouviu uma voz que lhe disse:

 "Este globo que vês representa o mundo inteiro e especialmente a França, e cada pessoa em particular. Os raios são o símbolo das Graças que derramo sobre as pessoas que Me as pedem. Os raios mais espessos correspondem às graças que as pessoas se recordam de pedir. Os raios mais delgados correspondem às graças que as pessoas não se lembram de pedir.“

A ORAÇÃO

 Enquanto Maria estava rodeada duma luz brilhante, de repente, o globo desapareceu e suas mãos se estendem suavemente, derramando sobre o globo brilhantes raios de luz. Formou-se assim um quadro oval, rodeado pelas palavras em letras de ouro:

"Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós".

Virou-se então o quadro, aparecendo, no reverso, um " M" encimado por uma cruz e, embaixo, os corações de Jesus e de Maria. E a Santíssima Virgem lhe pede:

A PROMESSA  

’'Manda cunhar uma Medalha por este modelo; as pessoas que a trouxerem indulgenciada, receberão grandes graças, mormente se a trouxerem ao pescoço; hão de ser abundantes as graças para as pessoas que a trouxerem com confiança. “

E assim foi cunhada, em Paris, esta medalha, que logo s espalhou pelo mundo inteiro, derramando graças tão numerosas e extraordinárias que o povo, espontaneamente, passou a chamá-la: "A Medalha Milagrosa".

 ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

Súplica - Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vo-las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas inúmeras culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expor, durante esta oração, as nossas mais prementes necessidades (momento de silêncio e de pedir a graça desejada).
         Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiantes vos solicitamos, para maior glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de nossas almas.
         E para melhor servirmos ao vosso Divino Filho, inspirai-nos profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre verdadeiros cristãos. Amém.

Rezar 3 Ave-Marias.

- Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

Oração Final - Santíssima Virgem, eu creio e confesso vossa Santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, a caridade, a obediência, a castidade, a santa pureza de coração, de corpo e espírito, a perseverança na prática do bem, uma santa vida e uma boa morte. Amém.


NOVENA DA VIRGEM IMACULADA DAS GRAÇAS DA MEDALHA MILAGROSA

         Ato de Contrição- Meu bom Jesus que por mim morrestes na cruz, tende piedade de mim, perdoai os meus pecados e dai-me a graça de nunca mais pecar.

         1º Dia - 1º Aparição - Contemplamos a Virgem Imaculada, em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré. A piedosa noviça guiada por seu Anjo da Guarda é apresentada a Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria. Seremos também felizes, como Santa Catarina, se trabalharmos com ardor na nossa santificação.

         Súplica a Nossa Senhora - Ó Imaculada, Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe ao contemplar-nos de braços derramando graças sobre os que vos pedem cheios de confiança na Vossa poderosa intercessão inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas numerosas culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expor durante esta Novena as nossas prementes necessidades...( um instante de silêncio ). Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa este favor que confiantes vos solicitamos para maior glória de Deus, engrandecimento do Vosso nome e bem de nossas almas e para melhor servirmos ao Vosso Divino Filho, inspirai-nos um profundo ódio ao pecado e dai-nos a coragem de nos afirmar sempre verdadeiros cristãos. Amém. (Rezar 03 Ave-Marias)

Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós.

         Oração Final - Santíssima Virgem, eu creio e confesso vossa santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, a caridade, a obediência a castidade, a santa pureza de coração, de corpo e de espírito a perseverança na prática do bem, uma santa vida e uma boa morte. Amém.

            2º Dia - Lágrimas de Maria - Contemplemos Maria, chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coração de seu Filho seria ultrajado, a cruz escarnecida e seus filhos prediletos perseguidos. Confiemos na Virgem compassiva e também participaremos no fruto de suas lágrimas.

            3º Dia - Proteção de Maria - Contemplemos nossa Imaculada Mãe, dizendo em suas aparições a Santa Catarina: " Eu mesma estarei convosco, não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças. Sede para mim, Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

            4º Dia - 2º Aparição - Estando Catarina Labouré em oração a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria, formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal; nesta aparição vemos seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor!

            5º Dia - As Mãos de Maria - Contemplemos, hoje, Maria, desprendendo de suas mãos raios luminosos. "Estes raios, disse ela, são a figura das graças que derramo sobre todos aqueles que me pedem e aos que trazem com fé minha medalha". Não desperdicemos tantas graças! Peçamos com fervor, humildade e perseverança, e Maria Imaculada no-las alcançará.

            6º Dia - 3º Aparição - Contemplemos Maria, aparecendo à Santa Catarina, radiante de luz, cheia de bondade, rodeada de estrelas, e mandando cunhar uma medalha, prometendo a todos que a trouxerem com devoção e amor, muitas graças. Guardemos fervorosamente a Santa Medalha e como escudo, ela nos protegerá nos perigos.

            7º Dia - Súplica - Ó Virgem Milagrosa, Rainha excelsa, Imaculada Senhora, sede meu refúgio nesta terra, meu consolo nas tristezas e aflições, minha fortaleza e advogada na hora da morte.

            8º Dia - Súplica - Ó Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei que esses raios luminosos que irradiam de vossas mãos virginais, iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem, e abrazem meu coração com vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

            9º Dia - Súplica - Ó Mãe Imaculada, fazei que a cruz de vossa Medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna. (Fonte: www.derradeirasgraças.com)

MAIS INFORMAÇÕES DO FOLHETO DA CAPELA

SOBRE A HISTÓRIA DA MEDALHA:

 

  

   

SOBRE SANTA CATARINA:

 

 

 

 

Esperamos que tenham tido uma "ótima viagem", que tenham aproveitado bastante e até a próxima!!

 

 




 

Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz adicione aos favoritos
Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz envie este conteúdo por e-mail
<<voltar
Dicas de
nossos
produtos


Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz

Harmonia e Paz Interior



Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz

Viva e Deixe viver


 

Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz
Rua Paula Ney, 521 - Aclimação - CEP: 04107-021
Fone/Fax: (11) 3271-9315 - São Paulo - SP

Copyrigh @ Associação e Comunidade de Apoio Casa de Maria Embaixadora da Paz - 01/2008