0A

Oficina de Emoções

A Oficina de Emoções é um projeto da Casa de Maria Embaixadora da paz, idealizado pela psicóloga Dra. Maria Salette.

São grupos de autoconhecimento e apoio emocional, com objetivo contribuir para a paz no mundo através do resgate da paz de dentro do ser humano.   São reuniões abertas e gratuitas, com temas simples e de fácil compreensão.

O resultado de toda essa caminhada é um indivíduo em paz consigo mesmo e, portanto, mais saudável para a sociedade.

É imprescindível trabalharmos na prevenção e recuperação do equilíbrio emocional.

Princípios das Oficinas de Emoções

  • A Escuta
  • A Compreensão
  • A Utilidade dos fatos
  • A Adaptação
  • A Perseverança
  • A Gentileza

Saiba como organizar uma Oficina de Emoções perto de vocês

Faça o download dos documentos que vão orientar no processo de organização da Oficina de Emoções

Encontre uma Oficina de Emoções perto de você

São Paulo Capital

Sábado às 14:00h
(exceto 1ª Sábado)

Local: Casa de Maria Embaixadora da Paz

Endereço: Rua Paula Ney, 521

Referência: próximo ao metrô Ana Rosa

Segunda-feira às 14:30h

Local: Auditório da Livraria Paulinas

Endereço: Rua Domingos de Morais, 660

Referência: em frente à estação do metrô Ana Rosa

Segunda-feira às 20:00h

Local: Salão Paroquial da Paróquia N. Sra. de Fátima

Rua Crisciúma, 361

Quarta-feira às 20:00h

Local: Paróquia Santíssima Trindade

Endereço: Praça Santíssima Trindade, 40

Segunda-feira às 14:30h

Local: Centro Social N. Sra. Consolata

Endereço: Rua Franklin do Amaral, 888

Quarta-feira às 15:00h

Local: Comunidade São Lucas
Endereço: Rua Vasconcelos de Barros, 37

Referência: Próximo ao Colégio Piaget

Sexta-feira às 14:30h

Local: Paróquia São José Operário
(Sala da Catequese)

Endereço: Alameda Afonso Schmidt, 96

Quinta-feira às 19:30h

Local: Hipermercado Andorinha – P/4 – Salão Gourmet

Endereço: Av. Parada Pinto, 2262

Sábado às 16:00h

Local: Capela São Miguel Arcanjo

Endereço: Rua Maria Elisa Siqueira, 219

Referência: atrás da Padaria Lareira

Terça-feira às 14:30h

Local: Casa São Rafael

Endereço: Rua Orville Derby, 254 – 5ª andar

Referência: Travessa da Rua da Mooca

Terça-feira às 14:00h

Local: Igreja Sagrada Face

Endereço: Rua Mariazinha Vicenzoto, 41

Referência: Caixa d’água

Quarta-feira às 14:00h

Local: Igreja Bom Jesus de Cangaíba

Endereço: Rua José Pinheiro, s/n.

Segunda-feira às 13:30h

Local: Espaço Saúde

Endereço: Rua Bairi, 257

Referência: Travessa da Rua Cerro Corá

Quinta-feira às 14:30h

Local: Paróquia N. Sra. Auxiliadora

Endereço: Rua Padres Valombrosanos, 126

Terça-feira às 16:00h

Local: Céu Uirapuru

Endereço: Rua Nazir Miguel, 870

Referência: Km 19 da Raposo Tavares

Estado de São Paulo

Quarta-feira às 19:00h

Local: Igreja São Jorge

Endereço: Rua Karan, 276

Referência: Próximo do km 25 da Raposo Tavares

Terça-feira às 15:30h

Local: Paróquia N. S. Aparecida

Endereço: Rua Nossa Senhora Aparecida, 185

Centro

Quarta-Feira às 18:00h

Local: Salão Paroquial N.S. Carmo

Endereço: Rua Barreto Leme, 1141

Referência: Ao lado do INSS

Vila Castelo Branco

Sábado às 16:00h

Local: Progen – Projeto Gente Nova

Endereço: Rua Castel Nuvo, 699

Referência: Santuário de N. S. de Guadalupe

Parque Tropical

Segunda-feira às 19:30h

Local: Comunidade Cristã Santa Rita de Cassia

Endereço: Rua Manoel Gomes Ferreira, 245

Referência: Escola Municipal Padre Mélico

Dois Córregos

Domingo às 09:15h

Local: Capela Nossa Senhora do Rosário

Endereço: Avenida Dois Córregos, 3577

Referência: Escola Coopet

Centro

Sábado às 09:00h

Local: Paróquia Sagrado Coração de Jesus (frades)

Endereço: Rua São Francisco de Assis, s/n

Referência: Grupo Escolar Jorge Cury

Paulista

Terça-feira às 14:30h

Local: Paróquia São José/Centro Pastoral

Endereço: Av. Marques de Monte Alegre,699

São Dimas

Segunda-feira às 14:00h

Local: Lar dos Velhinhos/Salão de Artes e Festas

Endereço: Av. Torquato da Silva Leitão, 541

Vila Aparecida

Quarta-feira às 14:00h

Local: Paróquia N.S.Aparecida

Endereço: Rua Monsenhor Nicopelli, s/n.

Jardim Maria Antonia

Segunda-feira às 14:00h

Local: Centro Paulino


Endereço: Rua Luiz Lucio da Silva Filho, 159

Jardim Amélia

Segunda-feira às 20:00h

Local: Paróquia Santa Clara de Assis

Endereço: Rua Manoel Rodrigues de Quadro, 903

Referência: Próximo ao Supermercado Morette

Vila Santana

Segunda-feira às 19:00h

Local: Casa de Sant’ana

Endereço: Rua Luiz Frutuosa, 335

Referência: Centro Pastoral N. S. Aparecida/próximo ao Fórum de Sumaré

Outros Estados

  • MANAUS

Raiz

Quinta-feira às 19:30h

Local: Altos do Salão

Paroquial da Capela Cristo Rei

Endereço: Rua Cristo Rei, s/n – Conjunto Costa e Silva

Referência: próximo ao Centro Social André Araujo

  • LICINIO DE ALMEIDA 

Segunda-feira às 13:30h

Local: Sindicato – SINTRAF

Endereço: Rua Boa Visata, 263 – Centro

  • BETIM

Angola

Quinta-feira às 09:00h

Local: Unidade de Saúde / CAPS-AD

Endereço: Rua do Rosário, 1457

  • JUIZ DE FORA

Centro

Segunda-feira às 15:00h

Local: Livraria Paulus

Endereço: Av. Rio Branco, 2590

  • NATAL

Planalto

Sexta-feira às 19:30h

Local: Paróquia Beato Ambrósio Francisco Ferro

Endereço: Rua Miramangue, 91

Referência: Após Supermercado Rede Mais

  • RECIFE

Boa Viagem

Sábado às 15:00h.

Local: Salão da Matriz N.Sra.de Fátima

Endereço: Rua Marquês de Valença, 350

Santo Antonio

Terça-feira às 10:00h

Local: Assoc. de Parkinson de Pernambuco

Endereço: Rua Eng. Ubaldo Gomes de Matos, 53 – 4º andar

Referência mesmo Edf. do Cartório J. Roma

Santo Antonio

Quinta-feira às 14:30h.

Local: Oficina Paulinas

Endereço: Rua Frei Caneca, 59

  • GRAVATÁ

Centro

Terça-feira às 15:00h.

Local: Paróquia Santana/Salão São Paulo Apóstolo

Endereço: Centro de Gravatá

  • OLINDA

Ouro Preto

Sexta-feira às 15:00h.

Local: Centro de Formação Paroquial da Matriz de São Lucas

Endereço: Rua Carrapicho, Qd. B 23-24 – s/n.

  • PAULISTA

Jd. Maranguape

Segunda-feira às 15:00h.

Local:Capela Santa Terezinha

Endereço:Av. Asa Branca, s/n.

Jd. Paulista Alto

Quarta-feira às 15:00h

Local: Granja Santa Rita
Endereço: Rua 130, S/N.

Janga

Segunda-feira às 15:00h.

Local: Igreja N.Sra da Conceição dos Médicos (Igreja Azul)

Endereço: Av. Carlos de Lima Cavalcante, s/n.

  • CABO DE SANTO AGOSTINHO

Vila COHAB

Terça-feira às 19:00h

Local: entre amigos –  Rua Dezenove, 106

  • CAMARAGIBE

Vale das Pedreiras

Quarta-feira às 16:00h

Local: Associação de Moradores de Camaragibe

Endereço: Rua Agua Marinha, 50

Acompanhe a Oficina de Emoções pelas mídias

São Paulo/SP
Programa Embaixadores da Paz
Domingos das 05:30h às 06:00h

Olinda/PE
Oficina de Emoções
2ª.a 6ª. feira as 15:40h.

São Paulo/SP
Para que Minha Vida
 se Transforme
Sábado das 09:00h às 10:00h

Internet
Cursos EAD: “A Terapia das Histórias”  “A Prática do Equilíbrio”  disponíveis no Portal EAD da TV Século 21.

Acesse: http://www.eadseculo21.org.br

“O ELEFANTE AMARRADO”

Um elefante foi capturado na floresta ainda filhote e levado para o zoológico, onde foi amarrado em uma estaca por uma corda presa em suas duas patas, a fim de fugir.
A princípio ele tentou se livrar da corda, mas não teve êxito, pois ainda era filhote e sua força era menor do que aquilo que o detinha.
Com o tempo, ele desistiu de lutar contra a corda, e a estaca prendia no chão, pois os fracassos lhe convenceram de que aquilo era mais forte do que ele.
O tempo, passou, o elefante se tornou adulto, agora capaz de arrastar um carro; entretanto quando seu dono precisa dominá-lo, bastava amarrar uma das cordas numa de suas patas e a outra extremidade numa estaca firme no chão.
A partir daí o animal se rendia e deitando-se no solo e permanecendo ali até alguém levá-lo para outro local.
Estava claro que essa estaca não podia mais deter o animal, agora ele estava bem mais forte do que ela, porém o sentimento de incapacidade que o elefante havia registrado quando se deparava com uma diante de uma estaca bloqueava sua iniciativa de se livrar dela.
Algumas vezes agimos que nem esse elefante. Diante das situações do passado nos sentimos derrotados, a nossa mente registra um sentimento de impotência e passamos a acreditar que nunca conseguiremos superá-las, mesmo depois do tempo ter transcorrido e já termos condições suficientes para reagir e ultrapassar essas situações.

Releia essa história, analisando o que ela tem a ver com você.
Use as perguntas abaixo para auxiliar sua reflexão.

  1. Você já se sentiu como esse elefante, impotente de algo ou de alguém?
  2. Na sua vida tem alguma situação diante da qual você se sente fracassado e, por isso, se acomodou a ela?
  3. Atualmente, onde você se sente amarrado?

Para auxiliar na sua transformação interior

  1. Analise sua vida e observe onde você se sente amarrado. Pergunte-se por que e há quanto tempo você se encontra assim.
  2. Observe essas amarras diminuindo de tamanho diante de você. Agora sinta que você é bem maior que elas e já possui condições de vencê-la.
  3. Avalie como esta sua capacidade de superação. Considere que, mesmo se sentido incapaz, você tem toda força necessária para enfrenter as dificuldades e vencê-las

Essa história faz parte do Livro “A TERAPIA DAS HISTÓRIAS’ Dra. Maria Salette.
Para adquirir, visite a nossa loja virtual: www.oficinadeemocoes.loja2.com.br

“UMA VIAGEM NÃO PROGRAMADA”

Esta história aconteceu há mais de dois mil anos, no tempo em César Augusto era imperador de Roma e ordenou um recenseamento,cada uma em sua cidade natal.
Nessa época, morava em Nazaré um casal que esperava seu primeiro filho; a mulher já estava na época de dar a luz, quando veio a ordem do imperador para todos, sem exceção, recadastrarem. Por isso, José e Maria resolveram sair de Nazaré, na Galiléia, para região da Judéia, na cidade de Davi, em Belém, por serem da família de Davi.
Certamente, tinham providenciado toda a estrutura para acolherem o recém-nascido. Como José era carpinteiro, já devia ter confeccionado o berço para criança e Maria, como as mulheres daquele época, feito cuidadosamente o enxoval do bebê; mas tiveram de deixar tudo isso para trás, a fim de fazerem uma viagem, levando estritamente o necessário.
Naquele tempo o meio de transporte usado era o camelo, o jumento, ou cavalo, nada confortável para uma gestante de nove meses. Após alguns dias de viagem, o casal chegou a Belém, porém, devido ao grande fluxo de pessoas que migravam para ali, não havia mais vagas nas hospedarias.
Maria sentia-se cansada e, já com sinais de parto, precisava de um lugar calmo para descansar, então, José lembrou-se de ter visto um estábulo na entrada da cidade e, assim, levou-a para lá.
Foi nessa noite que nasceu a criança e eles deram o nome de Jesus.
Maria envolveu o menino com faixas e o reclinou numa manjedoura, que era uma espécie de cocho, onde se colocavam o capim para os animais comerem.
Apesar de estarem longe de casa, não faltou nada para eles. Em nenhum momento se revoltaram ou sentiram-se abandonados, pelo contrário, em seus corações existia muita paz e confiança de que tudo daria certo, pois eram pessoas que acreditavam na Providência Divina.

Releia essa história, analisando o que ela tem a ver com você.
Use as perguntas abaixo para auxiliar sua reflexão.

  1. Como você reage ao inesperado?
  2. Que tipo de sentimentos você experimenta quando as coisas parecem dar errado?
  3. Como está sua confiança na Providência Divina?

Para auxiliar na sua transformação interior

  1. Quando a situação acontecerem diferente do planejado, mantenha a calma.
  2. Evite nutrir inconformismo ou autopiedade. Imagine que Deus está olhando por você e que, no tempo oportuno, tudo se resolverá.
  3. Esteja atento aos detalhes, não despreze nada, pois um deles poderá ser a seta que lhe indicará uma nova solução.

Essa história faz parte do Livro “A TERAPIA DAS HISTÓRIAS’ Dra. Maria Salette.
Para adquirir, visite a nossa loja virtual: www.oficinadeemocoes.loja2.com.br

“AS MULHERES DE TEJUCUPAPO”

Tejucupapo é uma pequena vila situada próxima à praia de Ponta de Pedras, no litoral norte de Pernambuco, onde em 1646 aconteceu um fato curioso.
Naquele tempo, a população existente no local era composta de algumas famílias que viviam de pesca.
Todos os domingos, os homens da aldeia costumavam levar o produto de seu trabalho para vender na capital, Recife.
Nessa época os holandeses que haviam invadido o território pernambucano, estavam, praticamente, encurralados no Forte Grande, na ilha de Itamaracá, próximo de Tejucupapo, e encontravam-se sem alimentos para sustentar a tropa.
Os holandeses já sabiam que todos os domingos os homens de Tejucupapo viajavam para Recife a fim de venderem a pesca; por isso, resolveram invadir Tejucupapo num domingo, pelo mar.
A ideia era conseguir pegar todo o alimento possível para as tropas que já estavam passando fome.
Sabendo que iriam encontrar só mulheres e crianças, tinham certeza que a emboscada seria fácil e já contavam com a vitória.
A notícia de que as tropas tinham desembarcado na praia chegou, rapidamente, aos ouvidos das mulheres de Tejucupapo, que logo se organizaram a fim de defender suas casas e seus mantimentos.
Para lutarem contra os invasores, elas usaram as armas que possuíam: utensílios de cozinha, água fervente e pimenta.
Enquanto os poucos homens que permaneceram na vila enfrentavam o inimigos com balas, as mulheres cavaram trincheiras onde se esconderam e surpreendiam os holandeses jogando-lhe nos olhos água com pimenta.
A batalha durou horas, até que os holandeses se deram por vencidos e voltaram para o mar.
A batalha de Tejucupapo ficou conhecida na história do Brasil como: “Epopeia das Heroínas de Tejucupapo”, e suas mulheres, até hoje, são homenageadas e respeitadas pela coragem e determinação de defender aquilo que tinham de mais precioso: suas casas e famílias.

Releia essa história, analisando o que ela tem a ver com você.
Use as perguntas abaixo para auxiliar sua reflexão.

  1. Como está o tamanho da sua crença naquilo que você acredita?
  2. Quanto você tem investido emocional, física, material e espiritualmente para defender seus ideais ?
  3. Você já juntou suas forças com as de outras pessoas, a fim de lutar por um ideal ?

Para auxiliar na sua transformação interior

  1. Procure identificar o que você tem de precioso em sua vida e como está cuidando dessas coisas.
  2. Inclua na sua lista de “bens preciosos” sua saúde, sua família, as atividades de autorrealização e avalie o quanto você tem investidos neles.
  3. Pense na força das mulheres de Tejecupapo e não se intimide diante das ameaças exteriores. Tenha fé em Deus e utilize as armas do amor e da determinação para vencer as dificuldades.

Essa história faz parte do Livro “A TERAPIA DAS HISTÓRIAS’ Dra. Maria Salette.
Para adquirir, visite a nossa loja virtual: www.oficinadeemocoes.loja2.com.br

“ALÉM DA QUEDA, O COICE”

Num zoológico, uma girafa se preparava para dar à luz. Havia várias pessoas para presenciar o evento.
A girafa permanecia em pé e, para surpresa de todos, o filhote nasceu caindo de uma altura de quase dois metros.
No chão, a girafinha, ainda meio zonza da queda, debatia-se toda a fim de conseguir se firmar. Depois de alguns minutos de tentativa para erguer-se, o filhote conseguiu ficar em pé.
Todos aplaudiram a girafinha, entusiasmados, até que a mãe deu-lhe  um coice que a levou de volta a terra.
As pessoas ficaram sem entender o que estava acontecendo e observavam preocupadas a reação do filhote que, com muito esforço, conseguiu, outra vez, se erguer.
Passou pouco tempo e, mais uma vez, a mamãe girafa colocou a girafinha no chão, dando-lhe mais um coice.
Era demais para os espectadores. Alguns já xingavam a girafa de “mãe desnaturada”.
Em meio a tamanho reboliço, apareceu um biólogo do zoológico para dar explicações sobre o fato:

   – Meus amigos. Eu sei que muitos estão perplexos e alguns revoltados por verem a girafa dar coices no filhote recém-nascido. Aparentemente, parece um ato agressivo e de desamor, no entanto, esta é a maneira que ela encontra de fortalecer as pernas do filhote para que ela possa andar acompanhando-a e, até mesmo, fugir de predadores, quando estes a atacarem. Normalmente, após o parto de pé, ela dá três coices em sua cria, esperando que se erga pela terceira vez, para depois lambê-la, acariciando-a e parabenizando-a pela vitória.
Neste momento, ao olharem para os animais, os espectadores presenciam a mamãe girafa lambendo seu filhote com muita ternura.

Releia essa história, analisando o que ela tem a ver com você.
Use as perguntas abaixo para auxiliar sua reflexão.

  1. Você já tomou uma atitude como à da girafa-mãe com o propósito de promover o crescimento e fortalecimento físico ou emocional de algum ente querido ?
  2. Você reconhece que algumas atitudes de seus pais ou educadores, lhe fizeram sofrer no passado, ajudaram-no a ser uma pessoa melhor e mais preparada para vida?

Para auxiliar na sua transformação interior

  1. Procure imaginar que as situações de “coice” fazem parte do processo educativo da vida. É preciso aceitá-las, compreendê-las e amá-las.
  2. Sinta gratidão e, se possível expresse esse sentimento para seus pais, educadores ou amigos que, mesmo lhe fazendo sofrem com certas atitudes, o ajudaram a ser uma pessoa do bem.
  3. Nos seus relacionamentos considere, também, a sua contribuição de educador na vida dos seus amigos e entes queridos. Lembre-se de nunca agira demonstrando raiva ou desejando medir forças, mas deixando claro que você age por amor; mesmo que no momento não entendam, mais tarde o agradecerão.

Essa história faz parte do Livro “A TERAPIA DAS HISTÓRIAS’ Dra. Maria Salette.
Para adquirir, visite a nossa loja virtual: www.oficinadeemocoes.loja2.com.br

Quem já encontrou equilíbrio

Como chegar na Casa

Na Casa de Maria eu consegui encontar o equilíbrio, por meio dos atendimentos e espiritualidade, hoje mantenho meu trabalho frequentando os grupos de Oficina de Emoções.
John Doe
Designer
Na Casa de Maria eu consegui encontar o equilíbrio, por meio dos atendimentos e espiritualidade, hoje mantenho meu trabalho frequentando os grupos de Oficina de Emoções.
John Doe
Designer